Artigos

As Epístolas de Paulo aos Coríntios

Livro de 2 Coríntios em Ingles

As epístolas de Paulo à igreja de Corinto são mui ricas em conteúdo, trazendo-nos lições e conceitos importantíssimos da fé Cristã. Dentre muitos ensinos que podemos destacar, enfatizamos as passagens que mostram primeiramente do caráter de DEUS, mostrando o quanto Ele é fiel (1:9; 10:13), glorioso (11:7), santo (6:9-10), poderoso (1:18,24; 2:5; 3:6-8; 6:14), único (8:4,6), sábio (1:24; 2:7), ainda, agora em 2 Coríntios, vemos DEUS como o consolador (1:3, 7:6), o amoroso (9:7; 13:4), misericordioso (1:3), cumpridor de suas promessas (1:20; 6:18; 7:1), reconciliador (5:18-19), verdadeiro (1:20) e etc; conceitos imprescindíveis para o conhecimento do ser de DEUS. Mas mesmo cientes desses fatores teontológicos, não podemos deixar de destacar as principais doutrinas trabalhadas por Paulo nessas duas essenciais epístolas que tocam em assuntos substanciais, como ao tratar de questões ligadas ao pecado sexual (1 Cor 6:13,18), da adoração reconhecendo o caráter de DEUS (1 Cor 3:17), dos dons espirituais (1 Cor 12:1), ressurreição de Cristo (1 Cor 15:4), reconciliação (2 Cor 5:17-21), expiação substitutiva de Cristo (2 Cor 5:21), garantia da salvação para os cristãos (2 Cor 1:22) e demais assuntos.

Algo que nos chama bastante atenção é o contexto vivenciado para escrever a segunda carta. Paulo que outrora tinha fundado a igreja, recebe em Éfeso informações muito tristes do seu enviado Timóteo sobre a igreja de Corinto, tendo Timóteo vivenciado e encontrado uma igreja turbulenta e cheia de oponentes do apóstolo e fundador da igreja, o que fez Paulo imediatamente se apressar e fazer uma viagem aos coríntios pessoalmente e resolver esses problemas, tendo sido essa viagem contudo extremamente dolorosa e triste, tendo o próprio apóstolo decidido inclusive sofrer as humilhações e partir de lá sem retaliações. A carta continua e nos mostra que Paulo, de volta em Éfeso, enviou Tito novamente à Corinto com uma carta severa(carta esta que se perdeu), que demonstra ser realmente escrita com “lágrimas” (2 Cor 2:3-4) advertindo a igreja sobre o juízo de DEUS.

Para a alegria de Paulo, o DEUS que outrora ele perseguia (At 9.5) e agora serve (At 9. 19-22) pela manifestação de sua glória o surpreendeu mais uma vez, isto ao se encontrar pessoalmente com Tito na Macedônia (7.5-16), lhe informando que uma grande parcela dos Coríntios tinha se arrependido e sendo tudo isso motivo de grande consolo, mas que infelizmente ainda uma minoria estava sob a influência de falsos mestres (11.12-21), continuando a rejeitar Paulo e o evangelho, o que fez que em resposta, e como mais um ato de misericórdia, Paulo, ainda em Macedônia, escrevesse a segunda carta aos Coríntios e que destacarei melhor abaixo.

A segunda epístola escrita pelo apóstolo Paulo nos trazem lições fundamentais e práticas, que certamente nos ajudarão a entender o cenário que vivenciamos e nos encorajará a obra missionária ao qual Cristo nos chamou, como missionários urbanos dentro dos campus universitários.

Nos capítulos de 1 a 7, vemos uma ênfase e um cuidado claro do apóstolo Paulo no fortalecimento dos fiéis e da pureza da igreja diante dos falsos mestres e ensinos e, semelhantemente ao contexto de Corinto, temos a obrigação como cristãos, e em ser parte desse corpo de Cristo (Col 1:24), não apenas em levar as boas novas aos universitários não cristãos, como também em ser um ombro irmão dentro da universidade, vencendo juntamente com os da fé todas as dificuldades da caminhada, fortalecendo esse membro no que for necessário, isto em palavra para edificação, em oração ou mesmo em conhecimento tirando dúvidas relacionadas À cosmovisão cristã.

Nos Capítulos de 8 a 9, vemos a convocação de Paulo ao trabalho generoso de coleta de ofertas, isto dos irmãos de Corinto aos crentes sofredores de Jerusalém e, semelhantemente, como universitários temos que lembrar que existem cristãos necessitados, não apenas de uma palavra de conforto, mas também de uma oferta para o suprimento de suas necessidades (1 João 3: 17,18) e que, mesmo como universitários (normalmente sem condições de ajudar), podemos nos unir e somar com aqueles que têm uma capacidade maior e fazermos essa diferença, agindo e não apenas em oração, principalmente sabendo que muitos desses irmãos nem em sua cidade natal estão e normalmente dependem de muitas coisas.

Nos capítulos de 10 a 13, vemos Paulo fazendo um apelo direto a aqueles que ainda estavam rejeitando o evangelho e, semelhantemente, devemos ter dentro de nós essa necessidade de falar de Cristo, quer numa primeira ou em outras tentativas, tudo com muita sabedoria, sabendo do nosso propósito de estar ali, em sermos embaixadores do reino de Cristo (2 Cor 5:20), sendo inclusive o nome do nosso ministério. Cristo tendo nos comissionado como universitários para falar das boas novas de arrependimento.

Ainda nos capítulos 6 e 7, temos lições práticas que de forma alguma devemos esquecer ou renunciar, principalmente no capítulo 6 e versos 14 -15, onde se diz para não nos ajuntarmos e nos colocarmos em jugo desigual com descrentes, ou seja, Paulo nos exorta a não estarmos aliados ou erroneamente sendo identificado como um incrédulo, que no contexto vemos claramente sendo pessoas que, dentro da igreja, estavam se rebelando contra Paulo. E assim devemos proceder (1 Ts 5.22), não com uma inimizade com as demais pessoas do nosso convívio, de amigos que não professam nossa fé, mas sim de termos uma postura nítida e transparente da não compactuação de ideias contrárias À fé cristã e sendo fiel a Cristo.

Outra passagem que nos trás bastante júbilo é a do agir de DEUS diante da sensação de trabalho em vão (1 Cor 15.58), de não enxergarmos os frutos do nosso trabalho e acharmos que foram inúteis ou sem expressão. Por um certo momento podemos pensar como Paulo e até nos sentir desanimados nos esquecendo de que Deus é soberano, Ele nos consola e age no momento oportuno, como vemos no relato de Paulo com a chegada e testemunho de Tito em 2 Coríntios 7. 6-7: “Deus, porém, que consola os abatidos, consolou-nos com a chegada de Tito, e não apenas com a vinda dele, mas também com a consolação que vocês lhe ministraram. Ele nos falou da saudade, da tristeza e da preocupação de vocês por mim, de modo que a minha alegria se tornou ainda maior”.

Não é de hoje que vivenciamos e vemos o agir de DEUS em nossas vidas. A bíblia destaca a importância de nos lembrarmos das misericórdias do Senhor (Slm 103:2) e assim vivermos de forma grata, mas independente de todo esse agir precisamos entender que nem sempre receberemos tais notícias como na narrativa do apóstolo Paulo, porém temos que ter em mente e crendo com toda a certeza, que naquele dia muitos terão uma grande surpresa em ver o fruto de seu trabalho no Senhor (1 Cor 3: 12-15). Assim devemos viver dentro do ambiente universitário, olhando para as coisas do alto (Col 3.1), levando as boas novas e confiando nesse agir do Senhor, crendo que toda ação vem dEle, como entendeu muito bem Martinho Lutero, dizendo: “o nosso trabalho é levar o evangelho aos ouvidos, e DEUS levará dos ouvidos para os corações”.

Diante do exposto, concluo com toda a certeza que as epístolas de Paulo aos Coríntios podem muito nos ajudar na caminhada cristã, contendo uma riqueza inestimável de doutrina e de reflexões muito proveitosas, bastando mais atitudes e fé de nossa parte para colocarmos em prática, entendendo que talvez a tarefa mais urgente que temos hoje, “seja a de tirar a poeira de nossas Bíblias, e desinfectar nossas mentes” como dito pelo teólogo Josemar Bessa. Portanto, indiscutivelmente tais reflexões simbolizam uma injeção de ânimo aos desesperançosos, duvidosos e abatidos a qual DEUS quer se revelar.


Igor Vinícius é membro e mentor de Pequenos Grupos da Chi Alpha em Cuiabá/MT